Mastodon

“A CBA tem muito a contribuir”, diz Rubens Carcasci, da CNK

Rubens Carcasci, presidente da Comissão Nacional de Kart (CNK) da CBA, falou com exclusividade para o Push to Cast

Rubens Carcasci, presidente da Comissão Nacional de Kart
Rubens Carcasci, presidente da CNK (Foto: Divulgação)

O lançamento do programa “Arrive & Drive” (“Chegue e pilote”, em tradução livre) pela Federação Internacional do Automobilismo (FIA) gerou muitas expectativas nos praticantes do kart rental, mas, ao mesmo tempo, dúvidas em relação à iniciativa.

Há quem veja a novidade com bons olhos, como no exemplo abaixo.

Já outros, ficam na dúvida: qual o real benefício de competições de kart rental homologadas pela Confederação Nacional de Automobilismo (CBA) e federações?

Atento a isso, o Push to Cast conversou com exclusividade com Rubens Carcasci, presidente da Comissão Nacional de Kart (CNK) da CBA. Com respostas francas e diretas, o dirigente máximo do kartismo no País falou sobre como a entidade contribuir com as competições de kart rental Brasil afora.

Um exemplo é a possibilidade de uma Seletiva para a FIA Motorsport Games, competição que reúne diversas categorias homologadas pela entidade mundial.

A seguir, confira a entrevista com Carcasci sobre a plataforma Arrive & Drive.

Push to Cast: Como o senhor vê essa iniciativa da comissão de Kart da FIA para o cenário brasileiro?

Rubens Carcasci: Como a iniciativa é global, a troca de experiências entre as diversas ASN’s (Associações Esportivas Nacionais, em tradução livre) vai ajudar no desenvolvimento, identificando os pontos fortes e fracos de cada país nesta atividade.

Com o alinhamento da CBA com a FIA, acredito que poderemos usufruir da iniciativa, adaptando para a nossa realidade.

PTC: Como a CNK vê o kart rental brasileiro?

Carcasci: Sabemos que existem bons estabelecimentos de Rental Kart e também muitas associações ou grupos de pilotos que fazem bons campeonatos fechados.

Acredito que o Rental Kart no Brasil esteja num bom nível, mas é importante ressaltar que se trata de uma atividade de lazer, que deve seguir especialmente as leis e regras locais para o segmento, obtendo alvarás de funcionamento junto aos órgãos competentes locais, e não só a diretrizes da FIA e da CBA.

PTC: Hoje, centenas de grupos em todo o Brasil realizam suas competições de kart rental, mas poucos são federados. Na visão da CNK, por que isso ocorre?

Carcasci: Na maioria dos casos, isso ocorre porque existe resistência dos pilotos e dos dirigentes destes grupos de acharem que não há benefício em estarem filiados.

Em princípio, não é realmente necessário o piloto estar filiado ou o campeonato estar chancelado por uma federação, uma vez que o segmento é de lazer.

Nosso trabalho é o de mostrar que a CBA pode contribuir para o desenvolvimento desta atividade.

PTC: Um exemplo: aqui no Rio Grande do Sul, há o Gaúcho de Kart Indoor, chancelado pela Federação Gaúcha de Automobilismo. É o único campeonato com essa chancela. Conversando com alguns grupos, eles relatam como dificuldade os custos (taxas, necessidade de carteira de piloto, etc). Como podemos explicar para os dirigentes destes grupos os benefícios de ser uma competição federada?

Carcasci: Temos que nos aproximar desses grupos. A CBA tem muito a contribuir, especialmente nas questões de segurança e desportivas.

PTC: Neste ano, a Seletiva FIA Girls on Track foi realizada no Granja Viana, com karts rental. A CBA tem alguma iniciativa neste sentido do Arrive & Drive, de promover mais competições usando esta modalidade?

Carcasci: Temos um projeto de realizar Seletivas para o FIA Motorsports Games, que têm esta modalidade no seu programa e estamos trabalhando para realizar um campeonato nacional.

PTC: Caso a resposta à pergunta anterior seja positiva, quais os próximos passos da CBA para que o Arrive & Drive seja efetivamente aplicado no país?

Carcasci: O Arrive & Drive já existe no país, mas como uma atividade de lazer. Estamos trabalhando para ajudar estas iniciativas, usando o conhecimento e a experiência da FIA e da CBA para que mais e mais pessoas tenham oportunidade de pilotar um kart.

PTC: Alguma informação importante pode não ter sido contemplada nas perguntas anteriores. Caso algo tenha ficado para trás, pode informar aqui.

Carcasci: É importante deixar clara a função recreativa do Rental Kart. Para tanto, as instalações precisam estar de acordo com as normas locais para abertura e funcionamento do estabelecimento comercial.

Já a iniciativa da FIA e CBA consiste em levar para o segmento toda a expertise em segurança, regulamentos técnico e desportivo, estruturação para realizar campeonatos e muito mais.

Resumindo, o Rental Kart, como lazer, é uma realidade no Brasil, enquanto nossa presença será de adição. Criaremos oportunidades para o piloto que quer dar um passo à frente, partindo do lazer para a atividade esportiva, inclusive com aspirações futuras de carreira.


Agora que você leu este conteúdo até o fim, deixa a gente te perguntar: você gostou?

Se a resposta foi “SIM”, é porque você viu a importância do nosso trabalho para a divulgação do kart rental regional e nacional. E aqui, vale uma informação de extrema importância: o Push to Cast é o único espaço dedicado à modalidade. Fazemos um trabalho único, independente e comprometido com os valores do jornalismo.

Para que ele continue, precisamos muito do seu apoio. Por isso, convidamos a acessar a nossa plataforma de financiamento coletivo e se tornar nosso assinante. Sua assinatura fortalecerá ainda mais o nosso trabalho – e, claro, o kart rental brasileiro.

2 comentários sobre ““A CBA tem muito a contribuir”, diz Rubens Carcasci, da CNK

  1. Desculpe, mas o nosso representante máximo no kart pela FIA está equivocado quando fala que o Kart Rental tem muito a crescer com a homologação da CBA/FIA.

    Todos os pilotos que participam dos campeonatos RENTAL, sabem a qualidade e profissionalismo que tem em todos os quesitos. Tanto é verdade o que eu estou falando, que a própria CBA consulta e observa como funcionam os campeonatos RENTAL para entender e implementar aos seus campeonatos.
    Se realmente a FIA/CBA tem o interesse de “abrir as portas” para os pilotos RENTAL, que sejam ISENTOS as taxas de inscrições e as filiações à CBA e Federação.
    Desta forma, aí sim vamos ter o apoio necessário.
    Caso contrário, talvez seja o grande volume de pilotos RENTAL o maior motivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *