Mastodon

O kart rental como parte da cadeia econômica nacional

Modalidade deixou de ser apenas lazer há muito tempo, mas ainda precisamos quebrar preconceitos para que todos vejam seu real valor

500 Milhas de Kart Rental 2023 - Rafael Pierre
Em 2023, Endurance de Kart Rental do Rio Grande do Sul teve patrocínio da casa de apostas KTO (Foto: Rafael Pierre)

Muitas vezes, a gente vê o automobilismo de competição como algo meramente esportivo. Não há nada errado nisso. Como o próprio nome diz, faz parte do mundo do “esporte a motor”. Então, é claro que este será o primeiro aspecto a ser notado.

Quando o tema é o kart rental, a situação fica ainda mais complicada. Afinal, a modalidade faz parte do que chamamos de esporte de lazer, com grupos de amigos ou de funcionários de empresas alugando karts para se divertirem com os “bate-roda” que ela proporciona.

Porém, quem vê apenas isso está muito limitado.

A própria Federação Internacional de Automobilismo (FIA), já notou a importância do segmento para o início de uma carreira no automobilismo e criou a plataforma Arrive & Drive. Aqui no Brasil, a Comissão Nacional do Kart (CNK) começa a ver a modalidade com outros olhos e projeta alguma forma de apoio.

Por aqui, Federação Gaúcha do Automobilismo (FGA) tem um evento para chamar de seu: o Gaúcho de Kart Indoor (GKI) – que, neste ano, terá três etapas, todas no Piquet Kart.

Essa (longa) introdução já serviria para mostrar a importância do kart rental. Mas, como dito no primeiro parágrafo, seria apenas chover no molhado: de que vemos apenas pelo lado esportivo.

O que quero reforçar é que a modalidade vai muito além disso.

Ela serve, também, como uma forma de impulsionar a nossa economia.

A “cadeia econômica” do kart rental

Você já parou para pensar em tudo o que envolve este setor na economia nacional? Existem muitas camadas. Por isso, vamos analisar, primeiro, pelo lado que poucas pessoas falam: o do poder público.

Como sabemos, o kart rental nada mais é do que alugar karts para um determinado grupo de pessoas por um período de tempo. Isso é um serviço prestado. Dessa forma, sobre ele incide o ISS (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza), que vai para os cofres do município.

Normalmente, a alíquota mínima é de 2%.

Isso significa que o Circuito Internacional Techspeed, em Nova Santa Rita, destina R$ 3 ao município por cada kart alugado – levando em consideração um valor de R$ 150,00 por bateria.

Caso a Seletiva para o Mundial de Kart realizado pela KMKZY Sports preencher todas as 80 vagas (40 por categoria), o ISS gerado é de R$ 120 por série classificatória de cada categoria.

Se calcularmos por baixo uma realização de dez baterias com grid completo, serão R$ 1.200,00 nos cofres municipais em um só dia. Agora, imagina se o kartódromo realizar uma média de dez baterias diárias, por esse mesmo valor, com 20 pilotos? Isso dá R$ 600,00 por dia só para o município.

Mas, essa é só a “ponta do iceberg”, pois desconsiderei aqui outros setores que se beneficiam do kart rental.

Negócios criados para o kart rental

Basta a gente ver o monte de prestadores de serviços voltados para a modalidade. Por exemplo, Rafael Pierre é praticamente o fotógrafo oficial dos grupos de kart rental em Porto Alegre e região. Edson Gravina se tornou coach de pilotos e também tem uma loja de acessórios focada na modalidade. A própria KMKZY Sports tem a KMKZY Store.

Thadeu Sabbag e Elton Cipriani são locutores de transmissões das competições ao vivo – que, no Rio Grande do Sul, tem o Curva do S como principal canal de coberturas de competições automobilísticas.

Isso, claro, sem contar outros modelos de negócios.

Como esquecer do Marcelo Cruz, da Cruz Racing, que fornece bancos-lastros para pilotos de kart rental para todo o Brasil? Ou a Zanoello com seus troféus personalizados, lojas de vestuário e equipamentos, pintores de capacete, e por aí vai?

O próprio Push to Cast faz parte dessa turma. Por exemplo, realizamos uma cobertura completa das 500 Milhas de Kart Rental by KTO de 2023, aliando o jornalismo de qualidade com a paixão pelo esporte a motor.

Ou seja: não é mais mero lazer.

Visão para o futuro

Lógico que muitos dos pilotos amadores aproveitam as competições para se divertirem. Mas, pensar que o segmento é apenas isso ter um pensamento retrógrado.

O kart rental deixou de ser lazer há muito tempo, e, como dissemos ao longo deste texto, provas não faltam. O que falta é a galera olhar para o setor com mais seriedade e apoiar da melhor forma possível.

Aprovação de projetos para Lei de Incentivo ao Esporte (LIE) é apenas uma das possibilidades, mas existem muitas outras. Afinal, a modalidade pode servir para algo muito além do imaginado inicialmente.

Ela pode se tornar uma verdadeira categoria de base e revelar grandes talentos.


Agora que você leu este conteúdo até o fim, deixa a gente te perguntar: você gostou?

Se a resposta foi “SIM”, é porque você viu a importância do nosso trabalho para a divulgação do kart rental regional e nacional. E aqui, vale uma informação de extrema importância: o Push to Cast é o único espaço dedicado à modalidade. Fazemos um trabalho único, independente e comprometido com os valores do jornalismo.

Para que ele continue, precisamos muito do seu apoio. Por isso, convidamos a acessar a nossa plataforma de financiamento coletivo e se tornar nosso assinante. Sua assinatura fortalecerá ainda mais o nosso trabalho – e, claro, o kart rental brasileiro.

APOIE AQUI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *